Com DR. GIOVANI CORRALO

CeAAc- Professor Dr. Giovani Corralo, o tema da nossa conversa vai ser: O papel da Universidade no século XXI. Gostaríamos pois que, antes de começar, pudesse falar sobre a função da Universidade.

Professor Giovani Corralo: As universidades desempenharam um papel central na condução do desenvolvimento dos povos. Elas devem ser compreendidas como um espaço de produção do conhecimento, uma vez que o conhecimento impulsiona a civilização, eleva a inovações científicas. Falar de universidade significa reafirmar o papel enquanto agente do conhecimento.

Pois que nos dias actuais o desenvolvimento dos povos, a riqueza de uma sociedade, os recursos minerais e a economia, não estão apenas ligados as riquezas naturais mas na capacidade de produzir e gerir o conhecimento. Temos um desafio muito grande de nos inserirmos nesse mundo complexo onde a produção do conhecimento é fundamental para que possamos ocupar um papel de destaque no cenário internacional.

CeAAc – Como compara o grau de produção de conhecimento da Universidade do sec. XXI em comparação aos seculos anteriores?

No seculo XXI se produz absurdamente mais. Sem comparação! O conhecimento tem se renovado mais e mais, a cada dia que passa. Apesar de naquela época alguns enciclopedistas fizeram esforço em colectar tudo o que se dizia respeito ao conhecimento. Contudo, não se compara sequer aos dias actuais devido a rápida transformação do conhecimento humano. Hoje tem-se produzido mais, e temos produções com muita qualidade.

BIOGRAFIA

PassGiovani Corralo, brasileiro de nacionalidade, Advogado, graduado em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito da Universidade de Passo Fundo, da qual é professor. É especialista em Advocacia Municipal pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Brasil), mestre e doutorando em Direito do Estado pela Universidade Federal do Paraná e professor do curso de mestrado em Ciências Jurídico-Económicas e Desenvolvimento na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto.

CeAAc- Em que lugar posiciona a produção de conhecimento da África no mundo?

R: Não tenho parâmetros estatísticos para fazer uma afirmação relativamente a essa questão. Mas diria que Angola está num importante estágio de reconstrução nacional, tem uma constituição democrática e tem vindo a primar pela garantia dos direitos, o que é fundamental nos dias de hoje para a sua inserção no cenário internacional. Angola está no caminho de fortalecimento das suas instituições e de alavancar o seu desenvolvimento.

CeAAc- Hoje constata-se uma fraca cultura de investigação por parte dos estudantes, pelo que nos diz a experiencia em Angola. O que acha que está na base dessa situação?

Não podemos deixar de frisar que nem todos terão perfil de pesquisadores, teremos é um grande número de académicos que vão obter uma formação para o desenvolvimento de uma actividade profissional sem um interesse maior de entrar no campo da investigação científica própria de um título de uma dedicação exclusiva.

Por outro lado, precisamos de pesquisadores, embora essa seja uma actividade que vai estar sempre ligada àqueles que possuam algum tipo de vocação, nós precisamos de pesquisadores, de jovens que queiram pesquisar e inovar o mundo do conhecimento. Embora seja fulcral e fundamental, não podemos esperar que todos os estudantes sejam pesquisadores. Pois nem todos têm esse perfil.IMG_9886a

CeAAc- Já esteve num outro país africano além de Angola? Para o desenvolvimento de Angola em que áreas de conhecimento acha que os angolanos mais se deviam dedicar?

Não. É necessário estimular mais a investigação científica. Quanto a decisão estratégica compete ao governo e as instituições científicas de Angola definir estrategicamente as áreas prioritárias, e que sejam mais importantes para o desenvolvimento nacional.

CeAAc- O que acha da corrupção dentro do sistema do ensino?

A corrupção é um mal que existe em diversos países. Inclusive no Brasil, tem sido motivo de escândalos constantes. Falar de corrupção significa falar de algo que infelizmente está presente em muitos países em via de desenvolvimento. Não tenho dúvidas que a Democracia enquanto processo no seu desenvolvimento tem criado instrumentos de controlo para a proibição desse mal. Pois que, falando em educação referimo-nos em algo crucial, não somente para que possamos ter uma cultura democrática mas em termos de controlo da especialidade pública, a fim de se obter mais qualidade no ensino público.

CeAAc- O que acha da democratização do conhecimento uma vez que tende a surgir dentro dos parâmetros tecnológicos?

Eu tenho acompanhado a internet desde o seu surgimento e no Brasil. A partir de 1983-1984, em que a internet foi ganhando espaço e aí se transformou no mundo virtual e que integra a nossa realidade. E sem sombras de dúvidas uma das grandes mágicas do mundo virtual consiste na aproximação das pessoas bem como a rápida circulação do conhecimento. Hoje temos condições de acessar produções científicas nos mais diversos países e quadrantes do globo terrestre com simples clique no computador, tudo isso significa uma enorme gama de oportunidades para o desenvolvimento individual e institucional. Ou seja falamos de um novo campo, de novas possibilidades de relações e de acesso ao conhecimento como nunca se teve na história. Não há dúvidas que a internet intervém significativamente na democratização do conhecimento. E espero que isso continue.

CeAAc- Actualmente, os povos têm vindo a “perder” a sua identidade cultural porq causa desse fenómeno da Internet que faz do mundo essa aldeia Global. O que pensa acerca disso?

Veja, da mesma forma que temos o processo da globalização e que nos remete à aproximação e outros falam em aculturação, também temos o fortalecimento dos mecanismos. Falamos de algo que é bastante paradoxal, porque temos ao mesmo tempo este mundo dividido em polos, porém, temos também o fortalecimento das culturas locais. E vejo que a globalização e a internet homogeneízam o conhecimento, acredito que não tendem a dever, ao todo, as culturas locais.

IMG_9882

CeAAc- Quais os tópicos dentro da sua área de formação ou outras que sugeria aos jovens para que mais investigassem?

A primeira coisa que aconselho é ler, ler muito. A internet usa um conhecimento de manchete, e os conhecimentos de manchete são muito perigosos, pois o indivíduo acaba ficando na superficialidade. Aliás não tem como construir convicções na base das manchetes de notícia, é superficial. É necessário que pesquisemos além das manchetes, que leiamos as matérias informativas na íntegra e que busquemos uma formação mais integral possível sem abandonar aquelas leituras que são consideradas como clássico. Temos de conseguir compatibilizar esse mundo de estímulos mil que há na internet com uma formação densa, e para isso não há salvação, pois que o caminho do conhecimento não é um caminho fácil, ele exige muito, exige esforço, exige dedicação e sacrifício.

Devemos tomar cuidado para não cairmos nas armadilhas do comodismo. O comodismo é algo avassalador.

CeAAc- Qual a sua opinião relativamente ao projecto “Divulgação do conhecimento” do CeAAc?

Eu só tenho a parabeniza-vos. Primeiro que é importante que seja um instrumento quem congregue os académicos e os estudantes centrados nas suas vantagens e suas aspirações. Um instrumento que possa permitir e favorecer a circulação do conhecimento.

Espero que os académicos de um modo geral acompanhem e apoiem o vosso projecto, porque isso tende a aumentar o crescimento do mundo académico e consequentemente o crescimento daqueles que estejam a participar também.

Comentários

Deixar uma resposta